Dá para iniciar uma reserva financeira mesmo com dívidas?

Dá para iniciar uma reserva financeira mesmo com dívidas?

Economia

Especialistas recomendam priorizar o pagamento dos débitos. Se der para conciliar, a dica é alocar o dinheiro em um investimento de baixo risco

Você sabe o que é uma reserva de emergência? É aquele dinheiro que fica guardado para nos socorrer quando imprevistos aparecem.

Leia mais: Muitas dívidas? Veja quais contas você deve priorizar o pagamento

Por falta de um planejamento financeiro, muitas famílias deixam de poupar e acabam caindo no endividamento.

Para reverter esta situação e acabar de vez com as dívidas, não há outro caminho: é preciso renegociar os débitos, enxugar o orçamento e começar a investir, ainda que pouco, para não passar pela mesma situação no futuro.

Leia mais: Descontrole financeiro eleva inadimplência na pandemia

“Essa reserva tem que estar disponível em uma aplicação de baixo risco e com liquidez para ser resgatada em, no máximo, um dia útil”, diz Rejane Tamoto, planejadora financeira.

O fácil acesso ao dinheiro e o baixo risco do investimento são mais importantes do que a rentabilidade que esse recurso é capaz de gerar, afirma Rejane.

Leia mais: Brasileiro deve manter controle financeiro e mais hábitos após crise

O educador financeiro Ivan Sanches sugere um investimento conservador em renda fixa, “geralmente CDB com resgate diário ou Tesouro Selic”.

A reserva deve ser o equivalente a seis meses de despesas da pessoa ou da família, mas pode ser maior dependendo das características de cada um.

Faço a reserva ou pago dívida?

Para a planejadora há “dívidas e dívidas”. Para quem possui contas com juros altos é recomendável quitá-la antes de começar a reserva financeira.

Leia mais: Você sabia que pode autossabotar seu orçamento? Como identificar?

“Quem está devendo no cheque especial, por exemplo, tem que concentrar todos os seus esforços em pagar essa dívida. Os juros são elevados da mesma forma que o rotativo do cartão de crédito”, diz Tamoto.

São dívidas que viram uma bola de neve. Quem está inadimplente precisa renegociar, encaixar os débitos no orçamento e criar a reserva depois

Rejane Tamoto

Por outro lado, Rejane pondera que aqueles que têm dívidas, mas conseguem pagar em dia, podem se organizar para começar a reserva.

“Isso, aliás, pode ser a saída para evitar novas dívidas causadas por imprevistos. E será muito útil para ter recursos nas mãos para renegociar parcelas e juros com os bancos”, afirma Rejane.

Leia mais: Veja 5 sinais de que você mantém um padrão de vida acima da renda

Sanches discorda de Rejane nesse ponto e recomenda que quem está endividado não deve pensar em criar uma reserva de emergência.

Para ele, o ideal é negociar e quitar as dívidas antes de qualquer investimento.

Reserva financeira evita empréstimos com juros

Sanches diz que geralmente as pessoas possuem orçamentos apertados e qualquer imprevisto pode gerar complicações.

Leia mais: Pausa na prestação dá alívio na pandemia e quase não afeta parcela

A reserva é para ser usada nesses momentos, diz Sanches.

“Você pode resgatá-la para cobrir os gastos imprevistos e evitar fazer um empréstimo, pagar juros e assumir uma dívida.”

Ivan Sanches

Ter um dinheiro guardado nos protege de dívidas com o cheque especial ou cartão de crédito diante da necessidade de um gasto extra imediato, ressalta Rejane.

Como iniciar uma reserva financeira?

Para quem não tem nenhuma reserva, Tamoto aconselha a poupar parte do que recebe ou aproveitar o recebimento de um recurso extra.

Leia mais: Endividamento das famílias bate recorde no Brasil, diz pesquisa

Exemplo: restituição do IR (Imposto de Renda) ou saque do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), por exemplo

“É importante deixar o recurso em uma aplicação separada da conta usada para cumprir as obrigações do mês. Assim, não fica com a tentação de gastar”, afirma Rejane.

Fonte: R7.COM 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *