Boi Garantido denuncia depredação da Amazônia e articula humanidade e meio ambiente

Boi Garantido denuncia depredação da Amazônia e articula humanidade e meio ambiente

Amazônia

A Associação Folclórica Boi Bumba Garantido está somando forças com grupos e movimentos de defesa do Pantanal e da Amazônia, integrando-se internacionalmente contra os crimes ambientais que estão ocorrendo nas regiões, especialmente na fronteira do Pará com o Amazonas, evidenciados por operações sucessivas entre elas a operação Handroanthus GLO que resultou na maior apreensão de madeira nativa da história do Brasil, segundo a Polícia Federal.

Segundo o presidente do Boi Garantido, Antonio Andrade, a associação folclórica estará presente nas discussões internacionais e já iniciou as articulações para estruturar uma Coalização Humanidade e Meio Ambiente, junto a dezenas de organizações indígenas nacionais e internacionais.

Nesta perspectiva Parintins irá ser um centro de discussões com lideranças mundiais indígenas para integrar o município a essas questões, resultando em seminarios e encontros paralelos ao festival folclorico do município, resultando em encontros de todos os povos do mundo na cidade nos próximos anos .

Para Andrade é parte da atual cultura corporativa do Garantido tomar posições de enfrentamento e propor soluções para a crise climática mundial especialmente porque parte da solução está em proteger os biomas naturais do Pantanal e Amazônia para exploração predatória.

Parintins com o festival folclórico terá no Garantido um dos eixos de combate contra a depredação da natureza, contra o etnocídio dos povos originários indígenas e a exclusão dos quilombolas especialmente nas regiões de fronteira entre o Amazonas e o Estado do Pará, onde agora foram apreendidos pelo menos 131,1 mil metros cúbicos de toras, adianta o presidente do Boi Bumba Garantido.

O que é a Operação Handroanthus GLO?

Handroanthus GLO une o nome científico do ipê à sigla da Garantia da Lei e da Ordem.

De acordo com relatório preliminar do órgão, agentes confiscaram 131,1 mil metros cúbicos de material, suficiente para construção de 2.620 casas populares. As toras foram encontradas ao longo dos rios Mamuru e Arapiuns, uma região de 20 mil km2, tamanho comparável a Sergipe.

Fonte: ASSESSORIA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *