Avanço da covid-19 faz BH recuar e fechar comércios novamente

Avanço da covid-19 faz BH recuar e fechar comércios novamente

Notícias
Prefeito Alexandre Kalil anunciou que apenas os estabelecimentos essenciais vão funcionar na cidade a partir da próxima segunda-feira (29)

Todo comércio de Belo Horizonte classificado como não essencial será fechado novamente, a partir desta segunda-feira (29). Apenas atividades como padarias, supermercados, açougues, postos de gasolina, farmárcias e serviços de saúde devem permanecer abertos.

O anúncio foi feito pelo prefeito Alexandre Kalil (PSD), na tarde desta sexta-feira (26). Segundo o chefe do Executivo, a mudança se deve ao avanço da covid-19 na cidade.

— Eu quero avisá-los que o bombardeio chegou na nossa cidade e nós vamos tentar controlá-lo. Quero dizer à população e repetir: não estamos de férias. Fique em casa. Se houver o churrasco no condomínio, denuncie.

De acordo com os médicos que fazem parte do comitê de combate à pandemia na capital mineira, dois dos três índices de monitoramento da doença na cidade estão em alerta vermelho:

• RT: o número que mede o ritmo de proliferação do vírus está em 1,09, o que significa que a contaminação está se expandindo. A doença entra na fase de queda quando esse índice fica menor ou igual a 1.

• Ocupação de UTIs (unidades de tratamento intensivo): 86%

Ainda segundo os especialistas, o terceiro índice, está no nível amarelo:

• Ocupação de leitos de enfermaria: 71%

Outra situação que contribuiu para o estado de atenção na cidade foi o número de viagens realizadas pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência). Segundo a prefeitura, antes faziam, em média, 50 atendimentos por dia. Nesta semana, contudo, o número saltou para 100.

Máscaras

Durante o pronunciamento, Kalil adiantou que vai sancionar a lei aprovada pela Câmara de Vereadores que determina multa de R$ 100 para quem for pego sem máscaras nos espaços públicos. A lei deverá ser liberada pelo prefeito assim que chegar até ele, o que ainda não há data definida.

O chefe do Executivo municipal de BH disse, ainda, que a Prefeitura de Contagem, na região metropolitana, também deve seguir os mesmos passos da capital mineira em relação aos comércios da cidade.

Erros

Apesar da decisão de recuar com a flexibilização na cidade, o prefeito defendeu que sua equipe não errou ao iniciar o processo de reabertura no mês de maio. Segundo o chefe do Executivo, foi possível tomar a decisão com antecedência, já que o município foi um dos primeiros a adotar o isolamento social.

Apesar de determinar o fechamento da cidade novamente, Kalil diz que foi informado pela equipe de saúde que a cidade não está com “descontrole”, mas que a situação pode mudar e chegar “perto de um colapso” caso a população não se adeque às medidas de isolamento.

— Se flexibilizamos naquela hora, tínhamos condições de fazer isto, baseado em dados.

Flexibilização em BH

Após dois meses com a maior parte do comércio fechada, Belo Horizonte começou o processo de reabertura no dia 25 de maio. A prefeitura planejou seguir com a flexibilização, semanalmente, de acordo com o nível de proliferação do vírus na cidade e com a capacidade de atendimento médico.

Por três semanas, a SMSA (Secretaria Municipal de Saúde) decidiu esperar mais para ampliar a reabertura, mas até então, não havia determinado o recuo no processo.

Segundo relatório divulgado pela própria prefeitura, Belo Horizonte tinha, até esta quinta-feira (25), 118 mortes causadas pela covid-19 e 4.977 moradores com diagnóstico positivo.

Fonte: R7

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *