Livro póstumo de Gilberto Dimenstein ganha lançamento virtual

Livro póstumo de Gilberto Dimenstein ganha lançamento virtual

Cultura

Na quarta-feira, dia 18 de novembro, a Livraria da Vila recebe o lançamento do livro póstumo “Os últimos melhores dias da minha vida”, escrito por Gilberto Dimenstein em parceria com sua mulher, a também jornalista Anna Penido. A transmissão será online e você pode assistir nas redes sociais da Catraca Livre (FacebookInstagram e Youtube) e nas redes da Livraria.

A noite também conta com show do Quarteto de Cordas da Orquestra Sinfônica Heliópolis e do pianista André Mehmari, que tocam músicas importantes na vida do jornalista. Mediado pelo dono da Livraria, Samuel Seibel, o evento ainda recebe a companheira de Dimenstein e a Dra. Ana Cláudia Arantes, especializada em medicina paliativa, que cuidou de Gilberto no último mês de vida e escreveu a orelha do livro.

Livro póstumo de um dos mais brilhantes jornalistas brasileiros, “Os últimos melhores dias da minha vida” relata de forma leve e altiva como foram os dez meses entre o diagnóstico do câncer e sua partida, em maio de 2020.

Apaixonado por São Paulo e mais especificamente pela Vila Madalena, o ex-diretor da Folha de São Paulo e idealizador da Catraca Livre se vale de belas e poderosas metáforas para descrever suas reflexões e sensações diante de uma situação extrema. O que para muitos poderia ser razão para desespero, para Gilberto foi libertador.

O livro tem apresentação de Ana Cláudia Arantes e ilustrações de Paulo von Poser e já está disponível na Livraria da Vila! Clique aqui para garantir o seu.

Leia a sinopse de “Os últimos melhores dias da minha vida”: 

Gilberto Dimenstein escolheu ser tema de sua última reportagem. É assim que descreve o livro: um relato autobiográfico sobre como enfrentou um grave câncer, narrando o processo a partir do olhar apurado dos mais de trinta anos de carreira no jornalismo. Anna Penido, no papel de ombudsman e parceira, esteve ao seu lado para produzir a obra a quatro mãos quando Gilberto já não tinha forças para fazer o trabalho sozinho. O livro ganhou ares de grande declaração de amor, mais uma das cumplicidades do casal.

A partir de depoimentos, lembranças e rememorações, delicadamente ilustradas pelo artista plástico Paulo von Poser, Dimenstein reforça que seus últimos melhores dias não foram os únicos grandes momentos de sua vida: experimentou também inúmeras realizações profissionais, viagens, encontros, concertos inesquecíveis de música (uma de suas grandes paixões) e a alegria de ouvir o neto chamá-lo de vovô Gil pela primeira vez. Mas estes melhores dias vividos após a descoberta do câncer — no pâncreas, uma das formas mais agressivas da doença — foram os mais cúmplices, profundos e felizes.

Para alguém que, em suas próprias palavras, “passou a vida toda desconectado, apavorado e ansioso”, a sensação de estar vivo e de poder compartilhar a vida com as pessoas que ama, agregando novo significado à existência, se compara ao momento em que a taturana se reconhece como borboleta.

Graças a esta obra, e ao legado que o autor nos deixa, os últimos melhores dias de Gilberto Dimenstein serão eternos.

Fonte: ASCOM/CATRACA LIVRE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *