Reintrodução de Jabutis-tingas é bem-sucedida

Reintrodução de Jabutis-tingas é bem-sucedida

Ciência e Tecnologia

Há registros de jabutis colocando ovos e consumindo diversas espécies de plantas no Parque Nacional da Tijuca

Os novos moradores do Parque Nacional da Tijuca, no Rio de Janeiro, que chegaram em janeiro, estão se adaptando muito bem ao novo lar. São os jabutis-tinga, que têm papel importante na dispersão de sementes, contribuindo para a renovação da floresta. Segundo os pesquisadores, há registros de jabutis colocando ovos e consumindo diversas espécies de plantas.

Em julho deste ano, outros 32 animais da espécie serão liberados no Parque. A iniciativa faz parte do Projeto Refauna, que tem como um de seus objetivos reintroduzir espécies de animais que foram extintas do Parque Nacional da Tijuca. A iniciativa, que envolve três universidades (UFRJ, UFRRJ e IFRJ), teve início em 2010 com a reintrodução de cutias (Dasyprocta leporina). O projeto não quer apenas reconstruir a fauna de uma floresta vazia, mas também as interações ecológicas que foram perdidas junto com esses animais.

O projeto já reintroduziu quatros diferentes espécies em áreas de preservação e reflorestamento da Mata Atlântica: cutias, bugio-ruivos, antas e jabutis. Primeira a ser reinserida, a cutia já é considerada estabelecida, e toda a população encontrada hoje no Parque da Tijuca nasceu no local. Após a liberação na mata, os animais são monitorados, por meio de chip e radiotransmissor únicos, para avaliar suas interações com o ambiente.

Iniciativas de reintrodução também são realizadas por outros projetos pelo país. A da ararinha-azul, por exemplo, é fruto de um acordo entre o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e a Association for the Conservation of Threatend Parrots (ACTP). Os animais chegaram ao Brasil no início de março e passam agora por um período de adaptação, no Centro de Reprodução e Soltura, em Curaçá, na Bahia, para em breve serem liberados na natureza.
Fonte: ASCOM/ICMBio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *