Produtos sustentáveis desenvolvidos na UEA participam de feira nacional de bioeconomia

Amazônia

Três produtos biosustentáveis desenvolvidos na Universidade do Estado do Amazonas (UEA) representarão a instituição na oitava edição de uma das maiores feiras sobre economia verde e soluções do Brasil, o Green Rio, que acontece de 23 a 25 de maio na Marina da Glória, Rio de Janeiro.

Os representantes são ‘Ecopainel feito com fibras do açaí’, desenvolvido pelo Prof. Dr. Antônio Mesquita, ‘Madeira plástica feita com caroço de tucumã’, do Prof. Dr. Antonio Kieling e ‘Bioprótese de madeira (feita com cumaru, pau d’arco e roxinho – madeiras típicas da Amazônia)’, desenvolvida pela Profa. Dra. Marlene Araújo.

Através da exposição dos produtos no Green Rio será possível a busca de investimentos que promovem o desenvolvimento de pesquisas na área da economia verde na região norte por meio da UEA.

Conheça mais sobre cada um dos produtos.

Ecopainel feito com fibras do açaí
A produção dos ecopainéis, baseada nos princípios da Economia Circular, é feita a partir dos resíduos do fruto do açaí descartados nos leitos dos igarapés e canais artificiais de escoamento de água nas cidades, gerando impactos ambientais. A partir deste efeito, o produto consiste no aproveitamento de toda a cadeia da matéria-prima, gerando subprodutos, emprego, renda e tecnologia. O trabalho também conta com a utilização de uma resina de óleo de mamona para fazer a adesão das fibras. A fabricação pode evitar a emissão de CO2 que acontece por meio da fabricação industrial de painéis de fibras de madeira utilizando resinas sintéticas a base de Uréia Formaldeído, muito comum na atualidade.

Madeira plástica feita com caroço de tucumã
É produzido a partir da fibra da Piriquiteira, obtida em Parintins (AM). A fibra natural apresenta excelente resistência à tração. Após serem extraídas, as fibras naturais passaram pelo processamento mecânico e os compostos são preparados pelo procedimento de mistura de fusão. As fibras da Piriquiteira podem ser usadas em partes estruturais de automóveis, embarcações, aviões, embalagens e até em produtos voltados para construção civil. Os ensaios mecânicos de tração mostraram que a modificação química proporcionou aumento de 72% no módulo elástico da fibra.

Bioprótese de madeira (feita com cumaru, pau d’arco e roxinho ¿ madeiras típicas da Amazônia)
As madeiras Pau d´arco, Cumaru e Roxinho são as matérias-primas da Bioprótese. As lâminas que darão origem ao protótipo passarão por um processo de secagem natural. As articulações do pé e do tornozelo formam um sistema complexo que deve fornecer um grau de estabilidade maior do que de flexibilidade. As lâminas foram apoiadas para receber a película do adesivo, e rapidamente foram prensadas com fixadores manuais para que todas as ligações adesivas atingissem a máxima resistência. A Bioprótese fornece uma base estável para a posição ereta; fornece uma alavanca rígida, na fase do impulso da marcha; absorve as cargas; adapta-se às irregularidades do solo e transforma a torção através da articulação inferior e da bacia.

Sobre o Green Rio 2019
O evento Green Rio expõe em sua feira anual negócios e representantes da Economia Verde, dos setores orgânico e sustentável. Entre 23 a 25 de maio acontecerá a sexta edição do evento na Marina da Glória, Rio de Janeiro.

Fonte: ASCOM/UEA

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *